Sempre sobre o banco Millennium na rua rei Katyavala
11 Fevereiro 2018
      
É abastecido semanalmente com 1.200 litros de gasóleo. Por semana são 162.000 kwanzas. Por mês 648.000 kwanzas. Anualmente, oito milhões de kwanzas, (arredondado). É assim que se faz a destruição da gestão bancária em Angola. Este banco não tem serviços de inspecção bancária? Assim, é fugir de investir em Angola. Este país está mergulhado no lodaçal da charlatanice.

Com tamanha multidão de incompetentes, não vejo como Angola se vai salvar, e por incrível que pareça ninguém nota isso, claro que não. Sim, há alertas, por exemplo, de Alves da Rocha, Carlos Rosado de Carvalho, e mais um ou outro que agora não me lembro, mas continua tudo como antes, de ouvidos surdos, só eles é que sabem, mais ninguém.

Se esta impunidade continuar então nada mais há em quem acreditar, especialmente nas falsas promessas de que isto vai mudar. Mudar para quem? Para os mesmos com outra roupagem? Se tudo está na mesma, ou pior? Rodeados de criminosos não se atraem investimentos, a instabilidade provoca a sua fuga. Um banco depender exclusivamente de um gerador para trabalhar? Estão possuídos pelo demónio da destruição, só pode.

Um banco que mata os moradores com o fumo do seu gerador significa que o marxismo-leninismo está em pleno.
De portas e janelas fechadas para que o banco possa facturar, viver, e nos desgraçar, morrer.

Como é possível esta bandidagem fazer o finca-pé da barbárie? E ainda no tom habitual de quem é dono desta m.e.r.d.a afirmar ditatorialmente que “vão-se queixar onde quiserem!”

Se isto funciona assim, é porque há consentimento de quem governa. Muito, muito deprimente, muito tumultuoso, muito brevemente.



Por : Gil Gonçalves José


Angola-Connection.net