Acção necessária e urgente para liberdade aos jovens manifestantes de Malange
13 Abril 2018
      
ACÇÃO NECESSÁRIA E URGENTE: LIBERDADE AOS JOVENS MANIFESTANTES DE MALANGE!

Angolanos e Angolanas,

A 9 e 10 de Abril do ano em curso, Afonso Simão, Justino Horácio e Alberto Francisco José foram julgados sumariamente e condenados de 5 a 7 meses de prisão, respectivamente, pelo (alegado) crime de subversão à ordem pública.

Os referidos jovens, julgados pela juíza Elídia Domingos, são alguns dos cidadãos que a 4 de Abril realizaram um protesto marcante contra a má gestão do Governador da Província de Malange, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”, mais um que usa a sua posição para viabilizar a realização de negócios privados, enriquecendo-se enquanto a vasta maioria dos malanginos passa a vida a ver navios carregados de pobreza, miséria e atraso.

Estamos em presença de mais uma aventura do sistema de justiça angolano, useiro e vezeiro na arte de judicializar o político e politizar o judicial, inventando teorias de conspiração vendo golpes onde não existem.

Enquanto o Vice-presidente da República irresponsavelmente reduzia os manifestantes a kupatatas (mototaxistas, ofendendo a honra e a dignidade destes cidadãos que, diferente dela, não assaltaram os cofres do Estado, mas, antes, pelo contrário, trabalham de forma honesta), ao reagir à manifestação que demonstrou que os malanginos estão fartos da má governação (e todos os Angolanos), a Procuradoria, para obedecer ao chefe, inventou o crime de atentado à ordem pública. Onde estão as provas do arremesso de pedras? O arremesso de pedras causou danos? A quem tal arremesso causou danos?

E mais: num país em que cidadãos bem identificados saquearam dezenas de milhões, centenas de milhões e, mesmo, milhares de milhões – biliões – de dólares, as autoridades detiveram, julgaram e condenaram os jovens manifestantes, que claramente estão a ser vitimas de uma máquina de justiça que, além de proteger os verdadeiros delinquentes, é perversa.

Manifestar não é crime.

Crime é desviar milhões e biliões e agudizar a já trágica e apocalíptica existência do muntu angolano, e provocar uma espécie de quase-falência do Estado.

Dizer “levem o vosso governador” não é crime.

Crime é ficarmos calados perante a má governação, o saque, o cabritismo, o nepotismo e a incompetência.

Junte-se a nós na Campanha Nacional de Apoio aos Jovens de Malange.

Ajude-nos a ajudar os jovens e suas famílias.

Participe.

Defenda a liberdade.

Defenda Angola.

LIBERDADE PARA OS JOVENS MANIFESTANTES DE MALANGE!



Por : Gil José


Angola-Connection.net