Limpeza das máfias no BPC deixa antigos funcionários contra o PCA
14 Maio 2018
      
LIMPEZA DAS MÁFIAS NO BPC DEIXA ANTIGOS FUNCIONÁRIOS CONTRA O PCA

Desde a sua nomeação em Novembro de 2017, que Safeca tem sido duro quando se fala em desmantelamento das Máfias internas dentro do BPC, é visível a tristeza daqueles que viviam das famosas “MIXAS" em prejuízo do Banco.

Soube-se de fonte oficiosa, que muitos dos locais onde estão instaladas algumas das agências do BPC pertencem aos membros da Antiga Administração liderada por Paixão Júnior. Dai, o descontentamento de muitos face as medidas do novo patrono da Instituição.

Um alto funcionário do Serviço de Investigação Criminal - SIC, confidenciou que espera maior responsabilização destes altos funcionários, que usam a Instituição para beneficio próprio, manchando a imagem do próprio estado e dos seus contribuintes que somos todos nós. Não se compreende como é que o BAI, uma instituição tão nova, tenha uma Academia que forma vários e vários quadros a nível da Banca e o BPC um Banco que teve em posse vários recursos, não consegue ter sequer uma Base de Dados Organizada.

Um caso caricato e que deve merecer a atenção das autoridades, é o edifício onde encontram-se instaladas a DIREÇÃO DE PARTICULARES E NEGÓCIOS e a DIREÇÃO TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO, pertencente a empresa Eco-Maiala que deve Milhões de kwanzas ao BPC e ainda assim o BPC paga dezenas de milhões de kwanzas ao para o seu arrendamento. Importa aqui referir que a Eco-Maiala é uma empresa criada por um amigo de Paixão Junior, identificado apenas por CHEFE MAIALA ( Infelizmente já falecido), o mesmo agia como se fosse funcionário do Banco, hoje já falecido deixou os seus negócios com os filhos que, por coincidência também são funcionários do BPC.

Em tempo oportuno, publicaremos a lista de Directores e ex Directores que têm feito negócio com o próprio Banco e que têm subtraído centena de milhões de Kwanzas à Instituição, o que considera-se crime, de acordo a Lei da Probidade Pública em vigência no País.




Partilhou Joana Clementina


Angola-Connection.net